contratação colaborativa

Encontrar o candidato perfeito é uma tarefa e tanto para os times de RH, especialmente quando envolve um mercado flexível e aberto – não mais focado apenas no contexto regional, mas global. Mas para acertar na escolha do profissional, há apenas um caminho: as equipes de recrutamento e seleção devem trabalhar em prol da contratação colaborativa junto aos gestores.

Na prática, porém, não é sempre assim que as coisas acontecem: de acordo com pesquisas realizadas no mercado norte-americano, 57% das empresas dividem o trabalho de contratação entre um recrutador e um gestor contratante. Ambos não costumam trabalhar alinhados, o que pode afetar diretamente nos resultados futuros.

Acompanhe o texto a seguir para entender maneiras de como unificar estes dois profissionais no processo de contratação colaborativa.

Como funciona a contratação colaborativa?

O modelo de contratação colaborativa não é algo novo no mercado, mas ainda é pouco utilizado pela grande maioria das empresas – especialmente se nos atentarmos à prática no Brasil. 

Seu funcionamento gira em torno da criação de uma equipe forte e multifuncional com vários departamentos. Ou seja, não é só o RH que trabalha em prol da admissão ideal: diferentes departamentos e níveis hierárquicos contribuem para a melhora do corpo profissional da empresa.

É criada uma equipe de contratação responsável por todas as fases do processo de recrutamento, porém, seus resultados dependem de como o trabalho é implementado e, principalmente, aceito por outras áreas. A contratação colaborativa beneficia a empresa, os indivíduos da equipe e também os candidatos.

O papel do gestor no processo colaborativo

O gestor contratante é o profissional responsável por solicitar a abertura e o preenchimento de uma nova vaga. Além disso, auxilia a especificar as qualificações que o candidato deve ter para ser escolhido.

Devido a sua importância, é esperado que participe ativamente de cada etapa do processo seletivo, já que realizará também o onboarding do novo contratado.

Os gestores contratantes possuem um leque de responsabilidades, que incluem:

  • Preparar a divulgação e descrição da vaga e suas respectivas especificações e benefícios;
  • Análise de currículos e dos resultados dos testes aplicados;
  • Tomar a decisão final de contratação;
  • Estabelecer as etapas e o processo de onboarding;
  • Definir a estratégia de entrevista em conjunto com os recrutadores.

Um gestor engajado pode auxiliar na busca de talentos para a sua empresa de maneira apropriada, o que explica a importância de manter o profissional unido ao time de RH, para assegurar que, com a união dos talentos desses times, seja realizada a contratação certeira e um onboarding que proporcione uma boa experiência ao contratado.

Motivos pelos quais os gestores não se engajam no processo seletivo

Infelizmente, é comum se dar conta de que os gestores podem não aparentar estar 100% engajados com o time de  RH durante o processo de recrutamento – e isso está diretamente ligado a problemas de comunicação ou até mesmo más experiências anteriores.

Listamos abaixo alguns dos motivos mais comuns relacionados a essa falta de conexão. 

  • Falta de comunicação e confiança entre o gestor e o time de RH;
  • Incerteza em relação ao funcionamento do processo de seleção;
  • Estar envolvido em processos muito desorganizados que envolvem uma grande parcela da carga horária de trabalho do profissional;
  • Insegurança em relação às suas capacidades de entrevistar candidatos.

Como envolver os gestores no processo de contratação colaborativa?

Agora que você já compreende o significado de uma contratação colaborativa e a importância do gestor no recrutamento e seleção, fica mais fácil traçar estratégias para alinhar o time de RH com o gerente de contratação.

É evidente que toda empresa trabalha de uma forma, e os gestores têm personalidades distintas. Entretanto, a chave para garantir uma mesma linha de raciocínio entre membros dos departamentos é a comunicação.

Quando os colaboradores comunicam e expressam entre si as suas expectativas para a alguma ação que será tomada em conjunto e que terá impactos a longo prazo, a chance de levar este processo adiante com sucesso é muito alta.

Separamos algumas técnicas que podem ser implementadas para instigar a contratação colaborativa:

  • Alinhe com todos os times qual é a imagem clara do tipo de candidato eles estão procurando;
  • Defina como o processo de recrutamento e seleção acontecerá, além de fornecer feedbacks aos envolvidos.
  • Compartilhe as dados e técnicas de entrevista que já funcionaram em processos anteriores;
  • Estabeleça cronogramas e eventuais custos do processo seletivo e alinhe com os setores de gestão;
  • Compartilhe dados sobre as técnicas de admissão que já funcionaram anteriormente e que podem ser implementadas no processo atual;
  • Treine os gestores contratantes sobre técnicas de entrevista, uma vez que nem todos eles possuem experiência em entrevistar candidatos.

Conclusão

Como é possível observar, trazer os gestores contratantes para mais perto do processo de recrutamento e seleção é uma medida que afeta diretamente nos resultados: melhores escolhas, profissionais mais alinhados e um ótimo exemplo de como o trabalho colaborativo pode trazer bons resultados para uma empresa.

O gestor é um elo fundamental entre a equipe e o profissional escolhido, por isso gerenciar as expectativas e as etapas desde o início é a melhor maneira de garantir que sua equipe de RH acerte na contratação de um novo colaborador.

O Quickin (software de recrutamento e seleção) é uma ótima opção para os setores de RH que desejam otimizar seus processos de recrutamento e seleção. Com ele, é possível criar estratégias e alinhar equipes em prol do melhor resultado. Conheça nossos serviços e saiba como implementá-los no seu negócio.

Sistema para recrutamento e seleção poderoso e super amigável.

Contate-nos

Email: sales@quickin.io

Rua Estela, 515 – Bloco F – 8º Andar
Vila Mariana, São Paulo, SP
04011-904